Quando a gente pensa que sabe todas as respostas,vem a vida e muda as perguntas

29
Ago 12

Destacadas figuras da sociedade portuguesa têm nos últimos dias defendido o serviço público de televisão e, de algum modo, a recusa a qualquer solução de privatização ou concessão da RTP. E desfilados todos os argumentos chegam inevitavelmente à Constituição, a lei das leis, que se invoca sempre que se a situação o justifica para a defesa de certas posições e se manipula e instrumentaliza de acordo com a vontade das maiorias conjunturais que se vão formando, incluindo a que se agrupa no seio de quem a devia apreciar e fazer respeitar, o venerando Tribunal Constitucional. Mas reconhecendo o modo desastroso como o Governo tem conduzido este assunto, o que me surpreende não é tanto a bondade da defesa de um serviço público de televisão. É que no caso em apreço o que isso significou ao longo de muitos anos: a manutenção de uma empresa insustentável que os contribuintes suportam e cujo serviço em nada, repito, em nada pode ser invocado como de interesse público. É negócio puro e duro para quem a administra , negócio para quem com ela contrata e mau serviço público. Que os contribuintes pagam.Resultado:muitos obrigatóriamente a pagar  para que  uns poucos ganhem muito.Não me importo que ganhem o que merecem.Mas não lhes quero pagar.E não me importo de prescindir do serviço que prestam.É simples.

publicado por José Manuel Constantino às 12:11

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
18

19
20
23
24
25

26
27
28
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Autor: JOSÉ MANUEL CONSTANTINO
pesquisar
 
blogs SAPO