Quando a gente pensa que sabe todas as respostas,vem a vida e muda as perguntas

16
Nov 12

Portugal, até á passada quarta-feira, era apresentado como um exemplo de paz social. Um país onde podia decorrer uma cimeira da Nato sem que um vidro fosse partido. Assistíamos a reportagens televisivas de manifestações em outros países e o contraste era evidente. De um momento para o outro tudo mudou. E as televisões internacionais passam os acontecimentos de Portugal que em nada diferem dos de Espanha, Grécia, França ou Itália: provocações à polícia , respetivas cargas policiais e um rasto de violência e destruição pelo caminho.

Afinal Portugal não dispunha de qualquer idiossincrasia especial que a excetuasse deste estado de coisas. Apenas, como é norma em outros domínios, uma espécie de modernidade tardia. As coisas chegam cá sempre mas mais tarde.

Como sucede nestas situações adiantam-se juízos explicativos. Seria bem melhor que se adiantassem procedimentos preventivos não apenas no domínio da segurança, mas também das políticas sociais que não criem terreno fértil ao desenvolvimento de radicalismos e de certo tipo de violência anarquista.

As democracias ocidentais, a crise que nelas habita e os radicalismos que as atingem não podem ser resumidos ao comportamento de meia dúzia de indivíduos ou a uma espécie de turismo da violência que passearia de pais em pais semeando a provocação e a desordem Há dinâmicas sociais e modos de organizar a vida das comunidades que fomentam o aparecimento de fenómenos de radicalismo político. Seria desastroso que os responsáveis políticos o não compreendessem.

Na quarta-feira a polícia fez o que foi obrigada a fazer. Provocada, insultada e agredida respondeu como lhe competia. E deve ficar por aí. Pretender avançar com explicações que ultrapassem o detalhe técnico da operação é terreno que não lhe pertence e que não deve pisar.

O governo resumiu o ocorrido a meia dúzia de provocadores. Desvalorizou o ocorrido. Se são apenas meia dúzia a situação será irrepetível. Qualquer sistema de segurança cairá numa situação ridícula se não consegue evitar a onda de distúrbios provocada por tão escassas pessoas. Seria mais avisado se o governo não se precipitasse em análises tão sumárias e simplistas. Porque em Portugal como nas restantes democracias ocidentais um certo tipo de radicalismo e violência juvenil chegou e não está para se ir embora tão depressa. E tem todas as condições para que a ela se juntem novos radicalismos de natureza mais corporativa. O desfile dos estivadores na manifestação de quarta-feira ou dos polícias dias antes, as palavras de ordem gritadas, os cartazes e a violência gestual exibidos dão para perceber que estamos perante um problema bem mais vasto e profunda.

 

Publicado na edição de hoje do Primeiro de Janeiro

publicado por José Manuel Constantino às 10:38

Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30


Autor: JOSÉ MANUEL CONSTANTINO
pesquisar
 
blogs SAPO