Quando a gente pensa que sabe todas as respostas,vem a vida e muda as perguntas

11
Jan 13

O titular de um cargo público é um cidadão com iguais direitos que um qualquer outro. Mas o modo como exerce esses direitos não pode ignorar que é escrutinado em termos públicos de um modo que o vulgar cidadão o não é. Se no plano formal a distinção público/privado é fácil, no plano concreto a separação tende a diluir-se e tudo passa a ser público. Ninguém reportará a um órgão de comunicação social o sítio onde um qualquer cidadão passa férias. A coisa muda de figura se for uma figura pública.

Um governante não tem que dar qualquer justificação sobre o que faz no domínio da sua vida privada.Com quem anda, onde passa férias ou quais são as pessoas com quem se relaciona. Mas sabendo que num governante os domínios público/privado tendem a fundir-se deve acautelar tudo quanto, ainda que no âmbito da sua vida privada, pode colocar em causa a sua figura pública de governante. Se um governante pede sacríficos aos portugueses e no domínio da sua vida privada dá sinais exteriores de opulência e de vida faustosa, pode, no plano formal, ter todas as razões do mundo para gastar o que gasta, porque tem meios e recursos que o suportam, mas os governados não o levarão a sério. A sua autoridade fragiliza-se porque o seu exemplo é o contrário do que defende para os outros. Neste sentido os direitos privados não podem estar em contradição com as virtudes públicas.

Quem já exerceu cargos públicos conhece bem este problema. É muitas vezes cruel? É. Mas é  um dos custos de ser figura pública. E do grau de exigência que lhe é colocada em tudo o que envolve a pessoa. A devassa da vida privada é um dos alimentos da democracia mediática que caracteriza as sociedades contemporâneas. E em tempos de dificuldades, como aqueles que atravessamos, ainda agravam mais o modo de percecionar comportamentos privados de figuras públicas.Cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

Estranha-se, por isso, que haja quem continue a ignorar algo que qualquer cartilha de governação aconselha: prudência, discrição e reserva no modo como se gere a vida privada.

 

Publicado na edição de hoje do Primeiro de Janeiro

publicado por José Manuel Constantino às 09:35

Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Autor: JOSÉ MANUEL CONSTANTINO
pesquisar
 
blogs SAPO