Quando a gente pensa que sabe todas as respostas,vem a vida e muda as perguntas

08
Fev 13

Num momento particularmente difícil da vida do país e dos portugueses o que  no espaço público se escreve ou se diz, deve merecer cuidada ponderação. O grau de tolerância é menor e tudo quanto seja sentido como menos respeitador da vida das pessoas é facilmente inflacionado e fruto de polémicas. Certo tipo de afirmações corre o risco de provocar danos que estão para além dos propósitos dos seus autores. E, por isso, todo o cuidado é pouco

Fernando Ulrich, banqueiro, é um ex-jornalista. Em bom rigor não sei se se pode dizer deste modo, mas pelo menos é alguém que durante alguns anos escreveu nos jornais. Tem sobre muitos outros a experiência de comunicar. E é uma pessoa com experiencia de vida. Estranha-se, por isso, que, com um hábito que começa a ser preocupante, decida dizer o que lhe vai na alma, num tom e num registo que suscita inúmeras polémicas.

Para se defender uma causa não é preciso ser grosso. Não é preciso colocar um ar grave, sisudo e zangado com receio de que o efeito do que se diz não seja alcançado. Ser rico e estar bem na vida não permite tudo. Nem outorga uma espécie de superioridade moral sobre os outros. A dignidade e o respeito humanos são equivalentes para todas as pessoas independentemente do seu estatuto social.

É óbvio que Fernando Ulrich é livre de dizer o que pensa e do modo que entende melhor. Mas talvez não fosse pura perda de tempo refletir se o tom altivo e sobranceiro que habitualmente utiliza é compatível com as funções e responsabilidades sociais que tem, ainda que no domínio da uma atividade privada como é a sua ação de banqueiro. O modo como se dirigiu aos deputados, que dispõem de uma legitimidade e representatividade públicas que ele não reúne, deveria ser fator de respeito. E não foi. E o ar displicente e de suposta superioridade com que fala da sua formação é mais próprio de quem julga que não tem satisfações a dar do que faz e do que diz. Mas tem. E não é o facto de exercer uma atividade privada que o iliba dessa responsabilidade. Bastaria que se lembrasse que ao invocar a sua formação como católico cria uma responsabilidade social e cívica conforme a doutrina que invoca. Ou não?

 

Publicado na edição de hoje do Primeiro de Janeiro

publicado por José Manuel Constantino às 09:59

Bom dia, Professor!
Lembrando os "velhos tempos" da Academia Olímpica, deixo-lhe os meus votos de vitória nas próximas eleições.
Fiquei muito feliz ao sabê-lo candidato, porque acredito que dará ao cargo uma dimensão superior, com reflexos benéficos no Desporto português.
Felicidades!
Abraço.
Mário Martins (Coimbra)
Mário Martins a 10 de Março de 2013 às 08:46

Obrigado,Mário.
Um abraço.
José Manuel Constantino a 10 de Março de 2013 às 14:01

Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Autor: JOSÉ MANUEL CONSTANTINO
pesquisar
 
blogs SAPO