Quando a gente pensa que sabe todas as respostas,vem a vida e muda as perguntas

15
Fev 06
A violência associada ao desporto é tão antiga quanto os próprios jogos e o desporto. É universal e não pertença de uma cultura, de uma época ou de um lugar concreto. Ao se estudar a história do desporto encontramos em todos os períodos comportamentos violentos dos praticantes, dos espectadores ou de ambos. Embora o nível de legitimação, grau e tipo de violência bem como o de apreciação e aceitação sociais se tenha alterado ao longo dos tempos, aquela é uma constatação incontornável.
O entendimento que temos deste problema põe em causa os fundamentos de uma certa sociologia de carácter determinista que, marcada pela influência do marxismo e das condições sócio-políticas em que surgiu o fenómeno do “hooliganismo”, atribui o fenómeno da violência a um reflexo de factores de natureza sócio-económica.
Esse determinismo ajudou a criar no imaginário colectivo a ideia de que os comportamentos violentos encontravam fundamento em problemas de natureza social (desemprego, pobreza, marginalidade, etc.) e menos em factores de natureza cultural e civilizacional, neles incluindo a evolução do próprio espectáculo desportivo.
As violências ocorridas com os Jogos da Antiguidade ou posteriormente no período da Idade Média tinham motivos distintos e contextos também diferentes. Mas era violência e física. O que aos olhos de hoje nos surge como violência insuportável e insustentável, tinha então um sentido próprio no contexto de uma cultura singular. E respondia a momentos particulares, organizados especialmente para exultar e expulsar as tensões sociais.
A necessidade de manutenção da ordem, a regulação e o controle do espaço de jogo e do espaço envolvente, não são fenómenos recentes e acompanham a história do próprio desporto. O reconhecimento deste facto, que tem uma desigual distribuição pelas diferentes modalidades desportivas, não pode conduzir-nos a uma espécie de banalização do fenómeno da violência associada ao desporto. O facto de ser uma presença constante ao longo da história do desporto não anula a necessidade de procurar compreender o que existe de distinto nos comportamentos violentos do desporto contemporâneo.
A grande diferença reside em que, no plano dos espectadores ,passámos de uma violência espontânea, ocasional e reaccional para uma violência premeditada, planeada e programada. Esta alteração, que começou a surgir por volta dos anos sessenta, traduziu-se numa modificação do comportamento de grupos de espectadores e esteve associada ao fenómeno do “hooliganismo”.Até então, as invasões de campo ou os comportamentos violentos entre os espectadores, estavam relacionados com incidências do jogo ou rivalidades mantidas. O que se lhe segue é qualitativamente diferente, porque é uma violência que exige preparação, reflexão e coordenação. E passa a envolver como norma prévia à violência física, a violência simbólica, gestual, gráfica e comportamental.
A este tipo de violência está associada a evolução do próprio espectáculo desportivo designadamente a indústria do futebol, através do aumento da sua mediatização e da crescente juvenilização dos seus públicos. Esta alteração, “do público que vai ao futebol”, a par da crescente autonomização da juventude e de um conjunto de sub-culturas juvenis alterou por completo o espaço social dos estádios e dos campos de futebol.
A organização dos grupos de jovens em claques, com os seus rituais, cânticos, coreografias e motivações distintas das do público tradicional criou uma nova realidade. Uma realidade que, por sua vez, adquiriu uma significativa visibilidade social através da mediatização dos eventos e desenhando uma lógica ambivalente: os comportamentos desviantes passaram a ser socialmente censurados, e ao sê-lo, abastecem e alimentam a transgressão, porque são reconhecidos como socialmente relevantes.(continua)
publicado por José Manuel Constantino às 08:35

O próprio Estado estimula os meninos marotos. Até dá subvenções. Estão à espera de quê? Que sejam os professores que dão aulas de Desporto e escrevem em jornais a educá-los? Não acreditem. Eles, falam, falam e não dizem nada.Defendem, como os iletrados, os seus clubes de forma apixonada. Falta-lhes, pois, visão periférica, mas essa também se aprende no Desporto. Mas, claro, andar à chuva e explicar como se faz um serviço balaneceiro flutuante ou como uma defesa, no andebol, por exemplo, se liberta de um 'bloqueio' não é para eles. Bom, bom é estar na Universidade e falar por cima do ombro. Explicar é que não é com eles. Pudera, não sabem. Logo, também não perecebem o que é a vilolência associada ao Desporto. Isso é que é violento! A. Cunha Flutuante
</a>
(mailto:josemaria@telepac.pt)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2006 às 15:42

A violência no desporto! mas a que parte do desporto se refere caro MJC, ao recinto do jogo, as margens do recinto do jogo onde transitam pessoas que nada tem a ver com o que se passa dentro do recinto, ou aos grupos organizados ditas "claques" sponsorizados pelos próprios clubes para apoiarem quando interessa ou agredirem os adversarios ou condicionarem o ambiente desportivo no recinto do jogo.
No desporto como eu o vejo não há violência ha um factor exógene que elva a violência ao desporto.antonio
</a>
(mailto:giovani@iol.pt)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2006 às 11:31

eh manel
joao a 19 de Março de 2009 às 11:20

a violência no desporto pode ser muito mais do que isto...
Anonimo a 21 de Março de 2009 às 16:45

Isto deu muito jeito para um trabalho
anonimo a 29 de Maio de 2010 às 19:56

A violência no desporto podia muito bem ser controlada pelo governo e federaxao da rexpetiva modalidade pois è sua obrigaxäo mas muito mais nos axistentes,agora quanto os pròprios jogadores,deviam previlegiar e respeitar o fair play,aí a violência ou diminui ou para.
Isa a 26 de Outubro de 2011 às 21:00

fake. podia estar mais completo
Anonimo a 16 de Março de 2012 às 14:37

Fevereiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
18

19
25

26
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Autor: JOSÉ MANUEL CONSTANTINO
pesquisar
 
blogs SAPO