Quando a gente pensa que sabe todas as respostas,vem a vida e muda as perguntas

17
Out 06

Um Orçamento de Estado sem grandes surpresas. Mais despesa, menos investimento. Um socialismo especial: musculo e firmeza perante algumas dimensões sociais do Estado (trabalho, saúde,educação, segurança social); tolerância perante o poder económico e o núcleo fundamental do poder financeiro; penalização ao trabalho e incentivo ao capital. A direita vai dizer que a penalização ao trabalho ainda é pouca e que o Estado continua a gastar demasiado. A outra esquerda vai protestar e um dia destas regressa à rua a gritar “25 de Abril sempre”.Ambos têm razão. O estado central continua a gastar demasiado consigo próprio e a democracia é para ficar. O problema é outro. Nem esquerda, nem direita sabem como a partir do Estado o país se deve organizar.Com a dimensão que tem, com os recursos possíveis e com a economia que o sustenta. Ao não querer repensar as funções do Estado ( e não me recordo de uma iniciativa legislativa da actual maioria que não tenha acrescentado novas e mais complexas funções ao Estado…)  é impensável que parte da riqueza nacional não seja para o sustentar. E com ele é a economia que se atrasa. O orçamento de Estado deveria traduzir uma política. De há muitos anos que é a política que se tem de adaptar ao orçamento. Dito de outro modo: é o Ministro das Finanças que manda no Conselho de Ministros.

publicado por José Manuel Constantino às 11:56

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
21

22
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Autor: JOSÉ MANUEL CONSTANTINO
pesquisar
 
blogs SAPO